quinta-feira, 30 de julho de 2015

Gente que faz - um garoto holandês e a poluição marinha - por Alexandre Machado

Gente que faz – um garoto holandês e a poluição marinha

A revista Superinteressante de janeiro de 2015, publica uma reportagem sobre um garoto holandês que, aos 16 anos de idade, em viagem de férias pela Grécia, percebe o mar repleto de plásticos boiando. Ao contrário da maioria das pessoas que só se lamentam, ele bolou um plano de como limpar os oceanos.

Anotem este nome: Boyan Slat. A história que começamos a relatar aconteceu em 2011, hoje este jovem, já com 20 anos, vem recebendo todos os prêmios possíveis, pois desenvolveu um projeto de ciência, com uma solução simples, capaz de capturar o lixo plástico que flutua nos oceanos. Ele criou um site na internet e com as contibuições voluntárias  contratou especialistas para desenvolverem o projeto, já agora, para aplicação global.

Do que se trata este projeto?  Boyan estudou as correntes marítimas cíclicas e percebeu que, com a utilização de boias extensas, em forma de “U”, com cerca de 100 km, localizadas em cada uma destas correntes,  poderíamos coletar  cerca de 16% do plástico já existente no oceano a cada 10 anos, ou seja, em pouco mais de 50 anos, praticamente limparíamos o oceano. O projeto se completa com a utilização de cargeiros que recolheriam este plástico para reciclagem.

Boyan já arrecadou cerca de 2 milhões de dolares, pela internet. Recebeu muitas críticas de especialistas, que se referiam principalmente em  como reciclar um plástico atacado pelo mar e pelos raios solares, ou pela dificuldade técnica de execução. Um exemplo disto seria  como fixar as boias ao fundo do oceano. Ele não se intimidou, contratou mais cientistas e elaborou um procedimento detalhado, com 530 páginas provando a viabilidade de sua empreitada.

O tempo nos mostrará se ele tem razão, pois o problema que ele busca atacar é real e muito maior do que pensamos. Todos os anos, nós humanos jogamos 6,4 milhóes de toneladas de plásticos no oceano.

Boyan certamente é uma pessoa determinada e, sem conhecer o espiritismo trata  aqui  de uma série de leis naturais aplicadas. São elas: lei da sobrevivência, da destruição e do progresso. Alguém motivado pode fazer uma grande diferença. A partir de sua iniciativa,  a Universidade de Caxias do Sul fez uma pesquisa e encontrou maneiras de limpar o plástico, rico em microorganismos vivos e assim, permitir a sua reciclagem. É o efeito dominó.

Se de um lado temos pessoas empenhadas, com ideias interessantes, de outro temos uma grande maioria de pessoas que não pensam nas consequências de seus atos:  a maior parte do lixo plástico que chega ao mar  vem carregado pelas chuvas. Nós não jogamos o plástico no mar, jogamos na rua e é  a chuva que leva ao oceano, ou seja, é uma poluição gerada pela ignorância, pela falta de educação ambiental.

Ver gente que faz a diferença nos demonstra que temos encarnados Espíritos mais adiantados, capazes de se diferenciar em muitas áreas de saber. Temos gênios em matemática, física, artes, mas também temos gênios na arte de melhorar a vida de nossos semelhantes, mesmo quando a grande maioria é incapaz de percebê-los.


Publicado originalmente no Jornal Abertura, na edição de Janeiro - Fevereiro de 2015 - seja assinante, entre em contato conosco pelo email: ickardecista1@terra.com.br.

terça-feira, 21 de julho de 2015

Corrupção à Brasileira - Reinaldo di Lucia

Conversava recentemente com um grande amigo sobre coisas sérias e amenidades quando ele soltou a pergunta: como é possível que um país que junta milhões na parada gay, milhões na marcha com Jesus, outros tantos nos protestos contra o aumento das passagens de ônibus não consiga estruturar uma manifestação contra a corrupção?

À primeira vista, isto é realmente um paradoxo. O Brasil, apesar de não ser conhecido por ser incisivo quanto a manifestações, tem um povo que, de modo geral, não se furta às manifestações. Mesmo em condições adversas, como na passeata dos cem mil – em plena ditadura militar! – a população vai às ruas, seja pela festa, seja para dar voz às suas insatisfações. Então, porque as manifestações contra os diversos casos de corrupção são tão tímidas e, normalmente, eivadas do viés político partidário inevitável? Porque não nos levantamos contra a corrupção como tal, exigindo o fim desta prática e a punição dos culpados por tais crimes contra o povo?

Tenho para mim, e foi o que respondi ao meu interlocutor, que o brasileiro tem a corrupção introjetada em seu DNA. É claro que todos, de modo geral, ficam indignados quando tomamos conhecimento da quantidade de dinheiro que é desviada e que, vez ou outra, chega ao domínio do público. Principalmente quando nos damos conta que os 50 ou 100 milhões do último escândalo seriam suficientes para resolver os problemas da saúde ou educação de muitas cidades brasileiras.

Mas algumas atitudes do brasileiro comum são interessantes: conheço mais de uma pessoa que anda com 50 reais na carteira do documento do veículo, para o caso de ser parado por uma blitz de trânsito. Ou que paga, sem pestanejar, uma “taxa de urgência” para que um documento do cartório, que demoraria seus 30 dias, saia na hora. Ou ainda que compra aquela pechincha num celular de última geração, mesmo sabendo, lá no fundo, que é roubado.

Fico com a nítida impressão que o que causa a indignação das pessoas é o volume, não o ato. Quantas vezes não ouvi que “perto desses aí do mensalão, os trinta mil reais do Magri (ex-ministro do trabalho do governo Collor, demitido por corrupção) eram dinheiro de pinga”. Há quase que um perdão ao “coitado” que roubava tão pouco que, poxa, nem conta. E quantos, quantos se rendem ao bordão “rouba, mas faz” e mantém o Maluf ativo na política desde... sempre!


O grande problema do Brasil é ético. Falta ética nas relações pessoais, comerciais e políticas, seja no cotidiano, seja nos grandes momentos. Não agimos, não nos comportamos, não votamos eticamente. Enquanto não compreendermos isso e nos esforçarmos conscientemente para mudar este estado de coisas, continuaremos na situação de, vez ou outra, nos depararmos com um evento grande de corrupção – e nos admirarmos porque não há uma mobilização contra isso.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Entrevista com Alexandre Cardia Machado - Editor-chefe do Jornal Abertura

O jornal ABERTURA, no mês de abril de 2015,  apresentou  uma entrevista com o editor-chefe do jornal, Alexandre Cardia Machado, que desde a internação e posterior desencarnação do fundador do jornal Jaci Régis passou a dirigir este veículo de comunicação. Estamos completando nesta oportunidade, a publicação de 50 edições do mesmo, sob a batuta de Machado.

Roberto Rufo pelo ABERTURA entrevista Alexandre.


Foto: Alexandre Cardia Machado

RR - Como você se sentiu tendo a missão de assumir o jornal ABERTURA após o desencarne do Jaci Régis?

Quando Jaci Régis foi internado, todos pensamos que como em ocasiões anteriores, seria por pouco tempo. Infelizmente não foi assim que ocorreu e Jaci passou quase um mês sem comunicação conosco. No momento da hospitalização o jornal de outubro de 2010, já estava em processo de elaboração, assim decidi conversar com a Danielle Pires e ver em que pé estava e claro ver como fechar a redação do mesmo.

Nesta oportunidade aprendi como o jornal era feito, as datas das fases críticas, ou seja, compor, diagramar, preparar os fotolitos, imprimir e depois preparar para enviar aos assinantes.

Acho que na verdade, eu me voluntariei para a tarefa, que pensei seria apenas para aquela edição.

RR - Como avalia estes 05 anos em que você esta como editor do jornal?

Tem sido um período de muito aprendizado, escrevo para o jornal há mais de 20 anos, meus artigos eram em sua maioria mais ligado a ciência, no entanto, desde que assumi este posto, foi necessário aprender a escrever editoriais, comunicar-me com os nossos articulistas e pensar no jornal como um todo. Na verdade, além de escrever alguns artigos, tenho que desenhar o jornal e ocupar todos os espaços. Manter o jornal atual, renovador e interessante também é uma tarefa importante. Creio que isto estamos conseguindo fazer.

RR - Quais os desafios e objetivos do ABERTURA daqui para frente?

Nosso maior desafio é continuar existindo como uma opção cultural atrativa, com custos de produção baixos e qualidade alta, de outra forma as pessoas simplesmente não renovam a assinatura e não nos indicam aos amigos. Buscamos também combinar o ABERTURA com o Blog do ICKS, aumentando o nosso alcance e permanência dos nossos artigos.

RR -  Há muitas parcerias para o desenvolvimento do ABERTURA. Qual o papel de cada parceiro?

Começamos pelos articulistas, contamos com você, com o Reinaldo de Luccia e a Caról Régis de Luccia, com o  Milton Medran, Egydio Régis, Cláudia Régis, Ricardo Nunes, temos o Marcelo Régis e Eugenio Lara como os mais frequentes e claro com os diversos componentes do CPDoc que já há alguns anos mantemos uma parceria importante. Estes escrevem o jornal junto comigo. Temos claro a revisão dos textos com a Camila Régis, a diagramação e projeto gráfico com a Danielle Pires. Ainda temos a elaboração dos fotolitos e impressão com a Márcia. Outro aspecto importantíssimo é o atendimento aos assinantes, manter os endereços atualizados, preparar os jornais para envio e o contato permanente com os nossos apoiadores culturais, feito pela Cláudia Régis . Não podemos deixar de citar Mauricy Silva que cuida da contabilidade e controle de pagamentos.

RR -  Neste 50 números do ABERTURA  em que você esteve à frente da edição quais matérias ou artigos merecem destaque ?

Esta é uma pergunta difícil de responder, sob o aspecto emocional, o jornal mais importante foi a edição de janeiro/ fevereiro de 2011 – com a capa vermelho magenta toda dedicada a Jaci Régis.


No aspecto editorial, artigos relacionando os problemas que nos afetam no dia a dia processados sob a ótica da Doutrina Kardecista são, no momento, os que detem o meu maior interesse e acreditamos o interesse dos nossos leitores.

sábado, 11 de julho de 2015

Cientistas propõe a reencarnação humana - organizado por Gisela Régis

Cientistas propõe a reencarnação humana

Imagem: shutterstock.com

Desde que o mundo é mundo discutimos e tentamos descobrir o que existe além da morte. Desta vez a ciência quântica explica e comprova que existe sim vida (não física) após a morte de qualquer ser humano.

Um livro intitulado “O biocentrismo: Como a vida e a consciência são as chaves para entender a natureza do Universo” “causou” na Internet, porque continha uma noção de que a vida não acaba quando o corpo morre e que pode durar para sempre.

O autor desta publicação o cientista Dr. Robert Lanza, eleito o terceiro mais importante cientista vivo pelo NY Times, não tem dúvidas de que isso é possível.

Além do tempo e do espaço Lanza é um especialista em medicina regenerativa e diretor científico da Advanced Cell Technology Company. No passado ficou conhecido por sua extensa pesquisa com células-tronco e também por várias experiências bem sucedidas sobre clonagem de espécies animais ameaçadas de extinção.

Mas não há muito tempo, o cientista se envolveu com física, mecânica quântica e astrofísica. Esta mistura explosiva deu à luz a nova teoria do biocentrismo que vem pregando desde então. O biocentrismo ensina que a vida e a consciência são fundamentais para o universo.

É a consciência que cria o universo material e não o contrário.

Lanza aponta para a estrutura do próprio universo e diz que as leis, forças e constantes variações do universo parecem ser afinadas para a vida, ou seja, a inteligência que existia antes importa muito. Ele também afirma que o espaço e o tempo não são objetos ou coisas mas sim ferramentas de nosso entendimento animal.

Lanza diz que carregamos o espaço e o tempo em torno de nós “como tartarugas”, o que significa que quando a casca sai, espaço e tempo ainda existem.

A teoria sugere que a morte da consciência simplesmente não existe. Ele só existe como um pensamento porque as pessoas se identificam com o seu corpo. Eles acreditam que o corpo vai morrer mais cedo ou mais tarde, pensando que a sua consciência vai desaparecer também. Se o corpo gera a consciência então a consciência morre quando o corpo morre. Mas se o corpo recebe a consciência da mesma forma que uma caixa de tv a cabo recebe sinais de satélite então é claro que a consciência não termina com a morte do veículo físico. Na verdade a consciência existe fora das restrições de tempo e espaço. Ela é capaz de estar em qualquer lugar: no corpo humano e no exterior de si mesma. Em outras palavras é não-local, no mesmo sentido que os objetos quânticos são não-local.

Lanza também acredita que múltiplos universos podem existir simultaneamente.

Em um universo o corpo pode estar morto e em outro continua a existir, absorvendo consciência que migraram para este universo. Isto significa que uma pessoa morta enquanto viaja através do mesmo túnel acaba não no inferno ou no céu, mas em um mundo semelhante a ele ou ela que foi habitado, mas desta vez vivo. E assim por diante, infinitamente, quase como um efeito cósmico vida após a morte.


Vários mundos

Não são apenas meros mortais que querem viver para sempre mas também alguns cientistas de renome têm a mesma opinião de Lanza.

São os físicos e astrofísicos que tendem a concordar com a existência de mundos paralelos e que sugerem a possibilidade de múltiplos universos.

Multiverso (multi-universo) é o conceito científico da teoria que eles defendem. Eles acreditam que não existem leis físicas que proibiriam a existência de mundos paralelos.

O primeiro a falar sobre isto foi o escritor de ficção científica HG Wells em 1895 com o livro “The Door in the Wall“. Após 62 anos essa ideia foi desenvolvida pelo Dr. Hugh Everett em sua tese de pós-graduação na Universidade de Princeton. Basicamente postula que, em determinado momento o universo se divide em inúmeros casos semelhantes e no momento seguinte, esses universos “recém-nascidos” dividem-se de forma semelhante. Então em alguns desses mundos que podemos estar presentes, lendo este artigo em um universo e assistir TV em outro.

Na década de 1980 Andrei Linde cientista do Instituto de Física da Lebedev, desenvolveu a teoria de múltiplos universos. Agora como professor da Universidade de Stanford, Linde explicou: o espaço consiste em muitas esferas de insuflar que dão origem a esferas semelhantes, e aqueles, por sua vez, produzem esferas em números ainda maiores e assim por diante até o infinito. No universo eles são separados. Eles não estão cientes da existência do outro mas eles representam partes de um mesmo universo físico.

A física Laura Mersini Houghton da Universidade da Carolina do Norte com seus colegas argumentam: as anomalias do fundo do cosmos existem devido ao fato de que o nosso universo é influenciado por outros universos existentes nas proximidades e que buracos e falhas são um resultado direto de ataques contra nós por universos vizinhos.


Alma

Assim, há abundância de lugares ou outros universos onde a nossa alma poderia migrar após a morte, de acordo com a teoria de neo biocentrismo.

Mas será que a alma existe? Existe alguma teoria científica da consciência que poderia acomodar tal afirmação?

Segundo o Dr. Stuart Hameroff uma experiência de quase morte acontece quando a informação quântica que habita o sistema nervoso deixa o corpo e se dissipa no universo.

Ao contrário do que defendem os materialistas, Dr. Hameroff oferece uma explicação alternativa da consciência que pode, talvez, apelar para a mente científica racional e intuições pessoais.


A consciência reside, de acordo com Stuart e o físico britânico Sir Roger Penrose, nos microtúbulos das células cerebrais que são os sítios primários de processamento quântico. Após a morte esta informação é liberada de seu corpo, o que significa que a sua consciência vai com ele.

Eles argumentaram que a nossa experiência da consciência é o resultado de efeitos da gravidade quântica nesses microtúbulos, uma teoria que eles batizaram Redução Objetiva Orquestrada.

Consciência ou pelo menos proto consciência é teorizada por eles para ser uma propriedade fundamental do universo, presente até mesmo no primeiro momento do universo durante o Big Bang. “Em uma dessas experiências conscientes comprova-se que o proto esquema é uma propriedade básica da realidade física acessível a um processo quântico associado com atividade cerebral.”

Nossas almas estão de fato construídas a partir da própria estrutura do universo e pode ter existido desde o início dos tempos. Nossos cérebros são apenas receptores e amplificadores para a proto-consciência que é intrínseca ao tecido do espaço-tempo. Então, há realmente uma parte de sua consciência que é não material e vai viver após a morte de seu corpo físico.

Dr. Hameroff disse ao Canal Science através do documentário Wormhole: “Vamos dizer que o coração pare de bater, o sangue pare de fluir e os microtúbulos percam seu estado quântico. A informação quântica dentro dos microtúbulos não é destruída, não pode ser destruída, ele só distribui e se dissipa com o universo como um todo.”

Robert Lanza acrescenta aqui que não só existem em um único universo, ela existe talvez, em outro universo.

Se o paciente é ressuscitado, esta informação quântica pode voltar para os microtúbulos e o paciente diz: “Eu tive uma experiência de quase morte”.

Ele acrescenta: “Se ele não reviveu e o paciente morre é possível que esta informação quântica possa existir fora do corpo talvez indefinidamente, como uma alma.”

Esta conta de consciência quântica explica coisas como experiências de quase morte, projeção astral, experiências fora do corpo e até mesmo a reencarnação sem a necessidade de recorrer a ideologia religiosa. A energia de sua consciência potencialmente é reciclada de volta em um corpo diferente em algum momento e nesse meio tempo ela existe fora do corpo físico em algum outro nível de realidade e possivelmente, em outro universo.

Artigo publicado originalmente em inglês no site SPIRIT SCIENCE AND METAPHYSICS.
http://www.duniverso.com.br/cientistas-comprovam-reencarnacao-humana/ 
Fonte: "Fórum Espírita" 

Comentario: Considero muito importante esse estudo que vêm comprovar os ensinamentos da Doutrina Espirita com o peso científico. Elucidam as teorias espíritas corroboradas pela cieência. E voce, o que tem a comentar sobre esse artigo?

domingo, 5 de julho de 2015

Livro Novo Pensar sobre Deus, Homem e o Mundo - por Jaci Régis

NOVO PENSAR SOBRE
DEUS, H0MEM E O MUNDO


Um novo pensar sobre Deus começará por deixar de lado o Deus Jeová, as afirmativas bíblicas e, de modo geral, as teorias  que fazem dele uma pessoa.
As palavras do louco de Nietzsche sobre a morte de Deus não devem ser tomadas como blasfêmia mas como a exclamação maior da decepção com o amor de Deus.
O Deus que Nietzsche matou é esse criado à semelhança das pessoas e cultuado, imposto pelas teologias de todos os tempos.
Isso não significa  a completa e satisfatória resolução da questão divina. Nem elimina a crença em Deus.


O que colocar em nossa mente a respeito de Deus. em substituição ao modelo rejeitado? É difícil fugir da realidade sensorial. Quando pensamos criamos imagens. Atendendo a essa necessidade do ser humano, todas as crenças criaram imagens concretas dos entes invisíveis.
Pensamos em Deus como “alguém”. Mas um “alguém” transcendendo o  delineamento corporal que nos dá o sentido das coisas. Deus continua invisível. O silêncio é a resposta das preces e imprecações. Há até um ditado “uma imagem vale mais do que mil palavras”. Daí a dificuldade de pensar num Deus sem face, sem corpo, sem imagem.
Mas Deus é o que é, não o que queremos que seja.
Isso nos autoriza a pensar em Deus sem imagem, limitações e sem ser uma pessoa.
O que seria então?
Não temos como saber, atualmente.
Todavia, a sua presença se faz na visão macro da vida, no encaminhamento através do tempo, que resulta invariavelmente no benefício da pessoa. Tudo começa no nível microscópico  num desenrolar dinâmico, atemporal dos elementos envolvidos para surgir, depois, um corpo, um animal, um primata, um homem, como conseqüência da seleção das espécies, da sobrevivência dos modelos mais resistentes transmitindo DNA que cria a cadeia genética.
O novo pensar vê nesse extraordinário poder de  desenvolvimento seqüencial dos seres a presença da inteligência divina. Na semente, como no embrião, existem códigos perfeitos que no ambiente adequado produzem a árvore e os frutos, o feto, a criança, a pessoa humana.
Assim como a ciência não sabe como esses fatores começaram a interagir, assim também não sabemos como a inteligência divina intervém para  dotar a natureza de princípios básicos, genéticos, que redundaram no panorama atual da Terra.
Entretanto, o novo pensar sobre Deus refaz o entendimento da relação divina com o ser humano.
Liberta-nos das cadeias de pecado, punição, morte e castigo que definem o Deus Jeová travestido no Deus cristão de amor, misericórdia e justiça.
O crente pergunta, onde está o Deus onipotente que não atua para eliminar o mal, punir os que praticam crimes e não salva e cura livrando-nos da morte?
A decepção provém do que se fala e diz sobre o amor de Deus.
A natureza não é lírica, mas objetiva, eficiente. Todavia não é perfeita. Esse paradoxo  precisa ser entendido:  a imperfeição dentro da perfeição.
Ou seja,  a perfeição absoluta atribuída à divindade comporta a imperfeição dinâmica dos processos evolutivos.
Um novo pensar sobre Deus nos conduz à compreensão de que a dinâmica da vida, em qualquer dos setores em que se manifesta, prima pela criação de  ambientes de oportunidade, seleção e superação.
Podemos questionar porque as coisas são assim. Todavia elas são assim.
O novo pensar sobre Deus pensa que o objetivo da vida é a felicidade.
A inteligência divina proporciona meios para isso, no tempo, através da lei da evolução.
A singularidade individual se envolve no processo para adquirir a sua própria identidade como ser único, imortal, progressivo, atemporal. O novo pensar sobre Deus tenta harmonizar a presença divina com  as necessidades do ser humano, oferecendo um conjunto de leis e sistemas vivenciais que abrem oportunidade de resolução dos problemas.
Dar atributos morais a Deus e sua transformação numa pessoa é fruto da criação da divindade à nossa imagem. Neste modelo não existe espaço para a personalização do Ser Supremo, nem cabe o estabelecimento de atributos, que o humanizariam, porque o paradigma disponível para pensar as virtudes é o humano.
O novo pensar começará por estabelecer que o universo não é estruturado, mas delineado. Seria, metaforicamente talvez, uma projeção da intenção divina, inteligência suprema e causa primária, centro ordenador e controlador, manifestado através da Lei Natural. Porque onde há Lei existe necessariamente controle.
A Lei Divina ou Natural está na base do universo, regulando a vida. Ela exprime a sabedoria divina na condução da humanidade, só apreciada ao longo do tempo.
A Lei divina ou natural, não cogita de julgar, condenar. Ou seja, Lei Natural não é uma lei moral. Ela controla a vida universal estabelecendo uma diretriz positiva que sobrevive e se impõe no aparente caos e nos limites do livre arbítrio.
E a Lei Natural está inscrita no Espírito através do processo evolutivo.
A existência da Lei Natural como centro irradiador do pensamento divino, é fundamental para compreender como o universo pode ser simultaneamente controlador e caótico. Para argumentar sobre essa polarização, poderíamos  aplicar a definição do elétron que pode ser substância e onda, sem alterar a estabilidade universal.
A Lei Natural exprime a sabedoria divina, com mecanismos extremamente competentes, estabelecendo o ritmo e a sucessão dos fatores com o fim de equacionar, no universo energético, tanto quanto no universo inteligente, o princípio do equilíbrio. Atuando através da lei de causa e efeito ou ação e reação, ferramenta de busca do equilíbrio, pela reciprocidade dos fatores.
Reside no campo moral, no campo das inteligências menores que somos nós, nos nossos anseios e esperanças, medos e expectativas, o principal problema.
Quem somos e porque somos. Eis a questão.

NR: Se você gostou do que leu, este é o primeiro capírtulo do último livro de Jaci Régis, NOVO PENSAR SOBRE DEUS, H0MEM E O MUNDO, compre aqui mesmo, basta enviar um email para ickardecista1@terra.com.br. Preço R$ 21,00 mais o custo do correio.