segunda-feira, 31 de março de 2014



                                                                           

              Neste mês de abril é comemorado os 150 anos da obra “ O Evangelho segundo o Espiritismo” do Codificador da doutrina Espirita, Allan Kardec. 
             O título do original francês é “L’EVANGILE SELON LE SPIRITlSME” (Paris, abril 1864). A tradução para o português foi feita por GUILLON RIBEIRO da 3ªedição francesa, revista, corrigida e modificada pelo Autor em 1866. Sobre a qual Kardec escreveu, em Revue Spirite de novembro de 1865, o seguinte: "Esta edição foi completamente refundida. Além de algumas adições, as principais modificações consistem numa classificação mais metódica, mais clara e mais cômoda das matérias, tornando a obra de mais fácil leitura e facilitando igualmente as consultas".
        O livro explica o pensamento de Jesus Cristo, nos ensinos interpretados à luz do Espiritismo e desvendando, além da letra, a essência das palavras de Jesus Cristo. O Espiritismo aí refulge, com toda a pujança, como o Consolador Prometido nos Evangelhos, que "viria reviver as imorredouras lições do Cristo e ampliá-las com novas revelações". Esta é a obra que vincula, indissoluvelmente, o Cristianismo ao Espiritismo. 
         Na obra,  as matérias contidas nos Evangelhos,  foi dividida em 5 partes : aos atos comum da vida do Cristo; os milagres; as predições; as palavras que foram tornadas pela Igreja para fundamento de seus dogmas; e o ensino moral. As quatro primeiras tem sido objetos de controvérsias, a última, conservou-se inatacável. Para os homens constitui  aquele código uma regra de proceder que abrange todas as circunstancias da vida privada e pública, o principio básico de todas as relações sociais que se fundam na mais rigorosa justiça. É, finalmente o levantamento de uma ponta do véu que nos oculta a vida futura. 
         O inusitado é o arranjo em moderno estilo literário,  da moral evangélica, que lhe tira a primitiva simplicidade que, ao mesmo tempo, lhe constitui o encanto e a autenticidade. As máximas destacadas e reduzidas a sua mais simples expressão proverbial. Essa razão que ao mesmo tempo que rasga horizontes novos para o futuro, projeta luz nao menos viva sobre os mistérios do passado.
                                                                                             redação

sábado, 8 de março de 2014

Onde estará A FELICIDADE!

                                                                                       Gisela Régis



          “O lugar da mulher é onde ela quiser estar”, disse minha irmã.
          Novamente comemoramos hoje o dia da Mulher. Pensando sobre isso, sempre vêm a questão: Qual é o papel da mulher? Realmente a mulher é a parte fraca ou já dominamos o mundo? Reinamos emocional e psicologicamente? Carreira e vida profissional ainda o velho dilema: buscamos a  conquista profissional em detrimento da vida familiar? Será que a busca do sucesso profissional e mais importante que tudo? Realmente temos que ser bem sucedidas, ter um modo estressante de vida para sermos felizes?          
          Claro que lutamos e derrubamos barreiras para o avanço social para as conquistas de opotunidades, salários e promoções. Mas devemos supor que essas conquistas suprirão as demandas de vida pessoal? Ser profissionalmente bem sucedida é o ponto máximo da aspiração feminina? 
          Todas essas questões pipocam em minha mente, então leio as perguntas:
775- Qual seria para a sociedade, o resultado do relaxamento dos laços de família? “Uma recrudescência do egoismo.” e 
882- Homem  é igual a mulher? …dos direitos, sim; das funções não, - do Livro dos Espíritos e não consigo responder a todas essas questões que me veem a mente…voce leitor  poderia me ajudar?


segunda-feira, 3 de março de 2014

XIII SBPE e os grupos de estudos - Abrindo a Mente - Alexandre Cardia Machado


XIII SBPE e os grupos de estudos

Nesta edição de 2013 do XIII SBPE tivemos a presença de dois grupos de estudos: o GELP – Grupo Espírita Livre Pensador, e o Grupo de Estudos do ICKS – Instituto Cultural Kardecista de Santos. Como linha de junção entre eles, está a vontade de estudar e a maturidade.
O GELP apresentou o trabalho ‘Pesquisa mediúnica sobre reencarnação’, em que o grupo, uma vez por mês, dedica-se à aplicação do método de Kardec de pesquisa, com a preparação de um questionário seguido da gravação e transcrição das comunicações para análise e elaboração de trabalhos, como o apresentado. Já o ICKS focou em um projeto para transformar as contribuições diversas do pensador Jaci Régis sobre a Ciência da Alma em um conjunto organizado e, para isto, usou de um estudo epistemológico denominado ‘Pode o Espiritismo ser considerado Ciência da Alma? Uma análise epistemológica da proposta do pensador espírita Jaci Régis’.  

Cada grupo conta com um número grande de participantes, no GELP são 15 pessoas e no ICKS 12 participantes, ou seja, 27 pessoas durante um período prolongado se dedicaram a elaborar um projeto, desenvolvê-lo e apresentá-lo no XIII SBPE.

O Espiritismo, enquanto ciência, possui um método de pesquisa, que Kardec chamou de Método Experimental, ou seja, tal qual às ciências positivas, textualmente: Como meio de elaboração, o Espiritismo procede exatamente da mesma forma que as ciências positivas, aplicando o método experimental. Fatos novos se apresentam, que não podem ser explicados pelas leis conhecidas, ele os observa, compara, analisa e, remontando dos efeitos às causas, chega a lei que os rege; depois lhes deduz as consequências e busca as aplicações uteis” (Gênese, pág.20)”.
Kardec explica nesse parágrafo que o Espiritismo não partiu de hipóteses e sobre elas construiu uma teoria e, sim, através da observação de fatos é que se estabeleceu uma teoria. Esta forma de ação é muito utilizada na ciência e Kardec afirma que: “acreditou-se que esse método só era aplicável à matéria, ao passo que o é também às coisas metafísicas”. (opus cit., pag.20).
O método de pesquisa Espírita libera-se da necessidade da prova experimental, utilizando-se do chamado “crivo da razão” e da confrontação das comunicações, o que certamente foi muito útil para a elaboração da Doutrina. Porém, para a ciência a comprovação se faz necessária. Isto é tão importante que Albert Einstein esperou de 1905 a 1919, para que, durante um eclipse solar, se comprovasse a hipótese, contida na Teoria da Relatividade Especial, de que ‘um raio de luz deveria sofrer um desvio quando se aproximasse de um campo gravitacional intenso’.
O Espiritismo nestes pontos perde o apoio cientifico por não poder prová-los. Certamente hoje, os grupos de estudo tem que considerar também como efetivamente provar os resultados obtidos, este sim um grande desafio – fica aqui o convite a todos para que busquem a leitura destes dois trabalhos.

Para abrir mais a sua mente - Pesquisa mediúnica sobre reencarnação –GELP –anais do XIII SBPE e Pode o Espiritismo ser considerado Ciência da Alma? Uma análise epistemológica da proposta do pensador espírita Jaci Régis. – ICKS – anais do XIII SBPE - você pode conseguir uma cópia deste artigo, enviando um email para ickardecista1@terra.com.br.
 

Ciência da Alma: O Espiritismo e a Psicanálise – Jaci Régis


Nota da Redação : extraído do trabalho apresentado em 1996 por Jaci Régis ao Comité Científico da CEPA no XVI Congresso Espírita Pan-americano em Buenos Aires – 12 de outubro de 1996.

Seria absurdo tentar encontrar similitudes formais, lineares entre Psicanálise e o Espiritsmo.

O Espiritismo é uma doutrina com objetivos moralizantes, éticos e possui uma estrutura definida filosoficamente, tentando dar sentido científico às suas propostas sobre a natureza espiritual do homem e da sua visão de mundo.

A Psicanálise se define como uma ciência psicológica, com estrutura própria e tenta equacionar o ser humano dentro de uma teoria e prática terapêutica e, extrapolando-a, uma visão de home e de mundo decorrente.

O homem é o objetivo tanto do Espiritismo, quanto da Psicanálise.
 
 
Foto de Jaci Régis

Seria incorreto dizer que a Psicanálise é materialista. Diríamos que, como as demais ciências do homem ela o vê dentro do prisma orgânico em que se manifesta no mundo. Entretanto, admite a existência de um estágio psíquico no homem e embora concebendo-o objetivamente, trabalha sobretudo em níveis de subjetividade ao tentar analisar seu comportamento a partir de instâncias psíquicas sem bases biológicas.

O Espiritismo pretende encontrar a razão do viver, a essência do homem em dimensões espirituais. Divide-o entre sua natureza de Espírito, como ser inteligente e seu corpo somático, que o define apenas enquanto encarnado, e sobre o qual não apenas tem a precedência como a sobrevivência.  Além disso, o Espiritismo olha o homem no presente como produto de uma série de experiências reencarnatórias.

A Psicanálise trata mais precisamente dos problemas neuróticos, dos desvios do comportamento, tentando fazer o homem internalizar-se para melhor desenvolver suas potencias, sem objetivos moralizantes ou espirituais, no sentido de permanência do ser após a morte.

Tanto o Espiritismo, quanto a Psicanálise tentam descobrir a razão do comportamento humano.

A Psicanálise localiza-se no universo da vida presente, buscando a razão dos desvios nas relações afetivas desenvolvidas na infância, embora reconheça que existem estruturas inatas no homem que determinariam sua escolha neurótica.

O Espiritismo localiza-se num universo mais amplo, projetando-se para uma vivência do Espírito como individualidade permanente, em sucessivos segmentos encarnatórios e encontra na culpa do passado a razão dos desvios do presente e projeta o desenvolvimento pessoal conjunturando sobre a perfeição no tempo e no espaço.

Como dissemos, o Espiritismo filosofa sobre a natureza do homem e de suas problemas. A Psicanálise pesquisa e atua sobre os sintomas neuróticos, tentando encontrar no desenvolvimento da existência atual a causa dos desvios.

Sob o ângulo específico da estrutura do ser, a Psicanálise desenvolveu um modelo do aparelho psíquico e estabeleceu parâmetros de análise das causas do comportamento humano, como o complexo de édipo, os princípios do prazer e da realidade, a estrutura do aparelho psíquico, nas tópicas do ego, id e superego e consciente, pré-consciente e inconsciente, e outros mecanismos de defesa psicológicas, que determinam o estar no mundo da pessoa.

Existem pontos de contato entre o Espiritismo e a Psicanálise?

Se consideramos que Allan Kardec disse: “ O Espiritismo e o materialismo são como dois viajantes chegados a certa distância, diz um, “ Não posso ir mais longe”. O outro prossegue e descobre um novo mundo. O Espiritismo marcha ao lado do materialismo, no campo da matéria, admite tudo o que segundo admite; mas avança para além do ponto em que este último para”, podemos aproveitar a estrutura do pensamento Freudiano e adicionar a ela o entendimento do Espiritismo.

Acredito que o discurso psicanalítico tem um valor importante e o discurso espírita pode utilizar-se dele, utilizar seu aparato teórico e introduzir nele conceitos que, a meu ver, lhe dão continuidade. Agora, então teremos um discurso espirito somático, pois postulamos não uma transcendência dos sistemas neuróticos e psicóticos, mas experiência vivencial concreta, humana, no círculo das angústias e necessidades do homem comum.

Só que o homem comum, sob a ótica espírita não se restringe ao organismo. É uma combinação espírito-organismo uma unidade espiritual e somática.

Freud não considerou a existência da alma como ser. Mas descobriu e explorou o psiquismo que codificou, embora sem dizer ou saber onde localizá-la no cosmo cerebral. Ele todavia não pode exonerar-se de muitas facetas do comportamento para as quais não encontrou explicação.

Analisando a raiz dos comportamentos ele, por exemplo, adotou o princípio das ideias inatas, não como reminiscência de um passado vivido, mas como estruturas de caráter que não encontram bases na existência, mas que estabelecem tendências que determinam o encaminhamento do indivíduo na vida.

Antes dele os problemas emocionais e comportamentais eram catalogados dentro de horizontes religiosos ou psiquiátricos, restritos às disfunções cerebrais. Com ele o psiquismo humano passou a ser considerado de uma forma sistemática. Desde então criou-se propriamente a psicoterapia.

Sua maior contribuição foi a descoberta do inconsciente, como lugar de recalque dos sentimentos que não podem ser suportados no consciente, devido as censuras. E por esse caminho considerou que o homem desconhece a si mesmo, isto é, que possui no seu cosmo interior, emocional, sentimentos, idéias, desejos controversos, conflitantes. Ao centralizar sua analise no sexo, escandalizou e criou incompreensões. Mas ao mesmo tempo tem mostrado que a sexualidade domina o indivíduo, pelo menos neste estágio evolutivo, como base que é da expressão das incertezas, emoções e desejos de intercomunicação de cada ser.

Embora o próprio Kardec tenha manifestado que a reencarnação era inerente ao processo de crescimento do ser e não mero instrumento punitivo, o Espiritismo, de modo geral, não conseguiu superar o peso da tradição judaico-cristã sobre o pecado original, a culpa e a dor, o sofrimento como únicos instrumentos de ascensão, purificação e regeneração da alma.

O Espiritismo persegue o ideal moral, às vezes moralista. Encontra na culpa pela prática do mal, a raiz de todos os males da pessoa e da sociedade. E propõe a cura desses males pela resignação na dor e pela prática das virtudes da moral de Jesus. A psicanálise, embora seu fundador tenha sido, a rigor, um moralista, não se propõem a curar, nem a julgar, mas explorar as resistências, tenta tornar o inconsciente consciente, pela reelaboração dos sintomas resultantes do “retorno reprimido”.

Acho que uma conexão teórico-prática entre os postulados psicanalíticos e espíritas, sem que um se reduza ao outro, mas, no meu ver, se completam. Dentro dessa premissa, acredito que o espiritismo tem uma contribuição à psicologia, não fosse ele a doutrina dos Espíritos, não apenas no sentido de que os entes desencarnados são considerados seus autores, como principalmente no fato de que está todo assentado sobre o estudo e a natureza do ser. Nesse sentido, pode-se dizer que além de doutrina dos Espíritos é também a doutrina do Espírito.

Nota da redação: Este trabalho foi seguido da elaboração da Espiritossomática por Jaci Régis, esta que é uma das raízes da Ciência da Alma - Artigo publicado na coluna Ciência da Alma - Jornal Abertura -dezembro de 2013 - Caro leitor deixe aqui a sua opinião

Voto Consciente - Rosana Régis de Oliveira

04 de março de 2014

Voto Consciente  

                                        Rosana Regis e Oliveira

         
                O artigo da escritora Lya Luft, publicado na revista Veja do dia 26 de fevereiro, resume tudo o que penso sobre o poder do voto consciente. Diz a escritora: ..."Podemos ser mais dignos? Podemos melhorar de vida?......Podemos uma porção de coisas melhores em nossa tumultuada vida? Podemos ser mais dignos e altivos? Não sabemos para que lado nos virar, onde procurar, a quem recorrer.Talvez a esperança seja não a destruição de ônibus, a quebradeira de lojas, a insensatez desatada. A esperança pode estar no gesto mais simples, breve, pequeno, porém transformador, desde que a gente saiba o que está fazendo, o que deve fazer: O Voto. Para que o voto seja esta esperança transformadora é preciso se informar, debater e descobrir algum nome a quem confiar esse voto ou acabará significando nada. Precisamos melhorar logo, para que o país não lembre uma nau sem rumo."
               Creio que é nele que todos nós temos o poder de mudar. Portanto leitor, pense muito antes de votar, leia, se informe e não deixe de propagar suas idéias aqueles a sua volta. Deixe seu comentário e debata com a gente sobre o voto!